Ron Mueck – O Processo Criativo

.

.

Numa exposição vemos o artista pronto, sem a bagunça do atelier, nem as sobras acumuladas pelos cantos. Para mostrar imagens do outro lado do glamour das exposições, o local do trabalho e o processo criativo, trouxe de volta Ron Mueck, um dos maiores artistas da atualidade. Também, para reforçar este visual caótico do atelier, Mueck fala em uma rápida entrevista dada a Sarah Tanguy (escritora e curadora independente), explicando a gênese do seu Untitled (Big Man) e da sua ousada adaptação técnica das convenções tradicionais.

Ron Mueck usa um processo de multi-estágios, que envolve uma série de experimentos e descobertas. Longe de ser um copista da natureza, ele revela a necessidade de fazer ajustes seletivos para maximizar o apelo físico e emocional de suas figuras.  Suas obras convidam-nos para uma inspeção rigorosa de manchas, pêlos, veias, e de expressão, levando-nos em uma viagem psico-topográfica.

Eu recomendo que os leitores vejam primeiro a exposição das obras prontas e só depois  o processo criativo. O fascínio aumenta. Veja a exposição Aqui. A entrevista está logo abaixo.

.






.

Entrevista a Sarah Tanguy sobre o processo criativo da obra Untitled (Big Man)
.

ST: Você altera a escala de tamanho para aumentar o impacto emocional e psicológico?

RM: Esta alteração faz você tomar conhecimento de uma forma que você não pensava, com algo que é apenas normal.

ST: Com o Big Man, você sabia desde o começo que seria numa dimensão maior?

RM: Não começaram grandes. No começo, por exemplo, esculpi uma peça pequena, um homem envolto em cobertores. Hoje eu não uso qualquer modelo de referência, são totalmente esculpidos a partir da imaginação. Mas nessa época, eu tinha acabado de começar uma residência artística na Galeria Nacional, e eles estavam fazendo uma aula de desenho com o público. Entrei e fiz o meu primeiro desenho numa dessas classes. Eu normalmente não trabalho com modelos vivos, eu uso fotos ou referências de livros, minhas próprias fotografias ou um olhar para o espelho.

Na residência tentei achar um modelo vivo, que combinasse com o carinha enrolado em cobertores. Localizei um fisicamente semelhante e ele ficou no estúdio por três horas, e descobri que realmente não me agradava. Ele não conseguia a pose. Eu também não estava acostumado a ter um modelo no estúdio, é muito intimo, e esse cara estava completamente nu. Ele não tinha um único pêlo no corpo.  Ele sugeriu algumas poses, fez todas as ridículas poses clássicas dos modelos vivos. Poses falsas e artificiais, e eu percebi que não havia nada que eu pudesse criar com ele e de que esse processo não me agradava.

Já processo do Big Man, tirei fotos do que eu estava fazendo, como costumo fazer, porque eu acho que, se eu fotografar o trabalho, eu posso vê-lo com um novo olhar. Você pode fazer o mesmo olhando no espelho. Se você olhar em um espelho, verá todas as imperfeições e as coisas assimétricas que simplesmente não conseguiu ver de outra forma, porque esteve olhando para ela por muito tempo.

Ao analisar as fotografias, esbocei sobre elas com uma caneta. A escala do que eu havia esboçado fez a figura ficar com cerca de oito metros de altura. Era uma espécie de intuição.  Pude ver, portanto, que a escultura podia ser trabalhada numa grande escala.

Então eu fiz um desenho dele em papel pardo do tamanho que lhe convinha e sete ou oito metros de altura, fiz uma tela e uma armação de gesso. Depois, alinhei a armadura para ver se ele iria se encaixar no perfil do desenho.

Eu uso um gesso dental, bem mais duro que o gesso Paris, e não tem pigmento amarelo nele. Depois eu coloco o gesso sobre os fios prendo na armação e pinto com laca.

ST: Há quanto tempo você trabalhou em Big Man?

RM: Foram várias semanas, uma para cada fase, há ainda uma semana para a fase das fibras.

ST: Há uma diferença entre trabalhar com um modelo vivo e com uma fotografia, uma imagem encontrada, ou da sua imaginação?

RM: Não há como negar que eu tenho mais informações à mão quando eu tenho um modelo vivo.  No entanto, o que eu tenho que fazer no final é abandonar o modelo e ir para o que me faz bem. Do contrário, torna-se um exercício de duplicar algo. Às vezes o que parece certo é que realmente não é certo. Com o Big Man, os pés eram grandes demais para o corpo, isso aumentava a sensação do pedaço, em vez de fazê-lo olhar exatamente como uma pessoa em particular.

ST: Eu estou curiosa sobre a relação que você tem com suas esculturas. Você os vê como seres humanos, quase? Ou mais como manequins?

RM: Eu não penso neles como manequins. Por um lado, eu tento criar uma presença crível e, por outro lado, eles têm que trabalhar como objetos. Eles não são pessoas vivas, mas é bom ficar na frente deles e não ter certeza se são ou não. Mas, afinal, eles são objetos de fibra de vidro que você pode pegar e carregar. Se forem bem sucedidos como coisas divertidas para ter no quarto, eu estou feliz. Ao mesmo tempo, eu não fico satisfeito se eles não tiverem algum tipo de presença que faça você pensar que são mais do que apenas objetos.

.




.

Referências de pesquisa: Sarah Tanguy (sarahtanguy.com). Trechos da entrevista de Ron Mueck a Sarah Tanguy para o ISC (International Sculpture Center), Fondation Cartier e James Cohan Gallery. Imagens e Letras em Exposicoes Incriveis Ron Mueck .

Outras propostas

.

assine o feed twiter

.

13 Respostas to “Ron Mueck – O Processo Criativo”

  1. […] Veja Imagens e Entrevista Aqui (37 Imagens) […]

  2. […] Veja Imagens e Entrevista Aqui (37 Imagens) […]

  3. OI! Ron Mueck é um de meus artistas favoritos, caro amigo! As sensações que suas obras no provocam são intensas e marcantes. Belíssimo post!
    Grande abraço!

  4. Meu amigo muito legal mesmo que perfeição e um super talento

  5. EGLE HERNANDES Says:

    ESTOU MARAVlLHADA!!!!!!!!!!!!!

  6. Magnífico trabalho, acima de qualquer comparação….!!!! ÚNICO

  7. Francisco Costa Neto Says:

    Impressionante o realismo das esculturas. Excelente!!!!

  8. Parabéns pelo site, muito rico em matérias!

  9. larissa de souza alves Says:

    Muito bom,amei,amei,amei

  10. danilo baptista Says:

    Ótimo!
    Grande artista!

  11. este cara e simplesmente incrivel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: