.

.

Liz Calder é co-fundadora da gigante Bloomsbury Publishing, elogiada pelo impecável faro literário. Salman Rushdie, Anita Brookner’s, ambos vencedores do Booker Prize e J.K. Rowling, criadora do bruxinho Harry Potter, por exemplo, são algumas das suas descobertas. Entre os brasileiros é mais conhecida pela realização da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP).

Na verdade, Liz Calder tem uma intima ligação com o Brasil desde os anos 60, quando ela morou no país e trabalhou como modelo e jornalista. É graças ao seu empenho que os ingleses podem ler Machado de Assis e Rubem Fonseca, entre outros escritores brasileiros. Ela divulgou nossa literatura como nenhum outro editor estrangeiro. Transcrevo um trecho de uma matéria de Liz para o The Guardian, ainda em 2000, onde ela faz uma defesa apaixonada da nossa literatura.

 .

.

The land where everyone’s a poet ou
A terra onde todo mundo é um poeta

.

“… Machado de Assis (1839-1908), que é tido por muitos como o maior escritor não só do Brasil, mas a par com Henry James, Flaubert e Hardy. Embora seu estilo encantadoramente digressivo, astuto e de implacável exposição da hipocrisia que o tornou querido para Susan Sontag, Salman Rushdie e Louis Bernières, entre muitos outros.

De raça mista, epilético, órfão e míope, nunca Machado deixou o Rio de Janeiro, mas trabalhou como funcionário público, tempo em que produziu uma quantidade enorme de todo o tipo de literatura. Sua produção inclui quatro obras-primas de ficção, Dom Casmurro, Memorial de Aires e, talvez o mais cativante, Memórias Póstumas de Brás Cubas – The Epitaph of a Small Winner . Elizabeth Hardwick declarou que “na firmeza de ritmo, a guinada insinuante, Machado é inigualável”, e que ele compartilha com Borges o “perfume almiscarado maravilhoso da biblioteca”.

O outro gigante literário é Euclides da Cunha, cujo épico Os sertões tem sido comparada a Os Sete Pilares da Sabedoria. Fala da resistência anos de duração do povo do sertão a uma campanha do exército brutal contra o místico religioso Antonio Conselheiro e seus seguidores no interior do estado da Bahia. Ele é cheio de sabedoria da humanidade, drama e espiritualidade, juntamente com descrições deslumbrantes de pessoas e de lugares.

Em um nível diferente, mas reconhecido internacionalmente como escritores notáveis, são Graciliano Ramos, cuja versão cinematográfica pode ser visto no NFT no momento, João Guimarães Rosa, o equivalente brasileiro de James Joyce, e Clarice Lispector, que é muitas vezes comparada com Virginia Woolf e Katherine Mansfield. Dois outros nomes podem ser mencionados no mesmo fôlego: Mario de Andrade, autor de Macunaíma, e Lima Barreto, autor de O Patriota.

Os dois escritores mais conhecidos fora do Brasil são Jorge Amado, o cronista imensamente popular da vida em Salvador, na Bahia (Gabriela, Cravo e Canela e Dona Flor e seus dois maridos), e Paula Coelho, um best-seller mundial. Outros escritores excelentes disponíveis em Inglês são o romancista Rubem Fonseca e o mestre do conto de Dalton Trevisan, além de Darcy Ribeiro, João Ubaldo Ribeiro, João Gilberto Noll, Chico Buarque, Ana Miranda e Patrícia Melo. Muitos não estão disponíveis, mas devem ser: Raduan Nassar, Moacyr Scliar, Milton Hartoum e Bernardo Carvalho entre eles.

É certamente agora tempo para os editores avançarem e trazerem esses e muitos outros escritores para a atenção do público leitor Inglês, para que possamos compartilhar mais das riquezas deste país extraordinário do que sua música e seu futebol. “ ( Liz Calder is publishing director of Bloomsbury. )

Para fechar o artigo, O The Guardian perguntou ao cineasta americano Woody Allen quais os cinco livros que mais o influenciaram, entre eles estava o The Epitaph of a Small Winner – Memórias Póstumas de Brás Cubas. “Você poderia pensar que ele o escreveu ontem”, contou o cineasta ao jornal inglês. “É muito moderno e divertido. Me tocou da mesma forma que O Apanhador no Campo de Centeio. É sobre um tema que me interessa e que foi tratado com sagacidade, originalidade e sem nenhum sentimentalismo”.

Aqui os dois links das matérias originais: Liz Calder e Woody Allen

.

Outras propostas

.

assine o feed twiter

.

.

3 Respostas to “”

  1. catarina Says:

    e muito bom ver a literatura brasileira sendo recnhecida mundialmente ,so fiquei triste por nao ver erico verissimo sendo citado entre os grandes autores brasileiros.afinal quem teve a oportunidade de ler:olhai os lirios do campo,saga,musica ao longe entre outros,sabe da grandeza das suas palavras q se concentram na mais pura simplicidade,q expressam tao bem os conflitos humanos

  2. oi, Olavo… ótima essa nova coluna. abraço, amigo.

  3. Realmente é maravilhoso ver tantas mentes brilhantes sendo reconhecido Literariamente em outros países. O Brasil é privilegiado
    com por ter pessoas com esse nível de conhecimento. Obrigado por nos trazer uma página tão encantadora como essa. Amei mesmo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: