Guerra Nuclear

HIROSHIMA E NAGASAKI

6 de agosto de 1945, 8:15 da manhã, o mundo conhece a capacidade de exterminação em massa que o homem possui. O mesmo mundo que debate e emociona-se com o tema do holocausto nazista, parece não dar a mesma importância ao evento no Japão, qual a diferença? Ah, em Hiroshima e Nagasaki a ação americana foi rápida, cirúrgica e certeira, não deu tempo para emocionar-se. A explosão sobre estas cidades criou uma onda de choque supersônica, que foi responsável por destruir a maioria dos edifícios da zona explosão. Metade da energia liberada pela bomba foi lançada sob a forma de vento, que pulverizou a 440 metros por segundo (a velocidade do som é 330 metros por segundo), não só tudo ao seu alcance, como também encheu o ar com detritos. O calor da explosão, estimado em 3000 a 4000 °C (a água evapora-se a 100 graus) imediatamente depois da explosão, foi suficiente para derreter garrafas de vidro como as que você vai ver na galeria de fotos, distantes 1 kilômetro do lugar. A bomba foi concebida para explodir no ar, a 600 metros acima do solo, a fim de maximizar o efeito destruidor. O que aconteceu naquele dia em Hiroshima, os sobreviventes poderiam identificar com apenas uma palavra – inferno. Foram mortas 66 000 pessoas e 69 000 feridos, não parou aí, logo em seguida outra bomba cai sobre Nagasaki com um saldo de 39 000 pessoas mortas e 25 000 feridos. Também não parou por aí, o número de mortos até alguns meses após as bombas que morreram de ferimentos e radiação vão para mais de 300 000 pessoas. A radiação através do tempo, dos pais para os filhos, é outro capítulo aterrador. Muitas pessoas morreram nos primeiros meses e muitos mais nos anos seguintes devido à exposição de radiação. Algumas pessoas tiveram problemas genéticos, que por vezes resultaram em bebés deformados ou não poderam ter filhos.

“A luz encheu o avião”, escreveu Paul Tibbets, o piloto do Enola Gay, o B – 29 que levou a primeira bomba atômica. O co-piloto Robert Lewis escreveu em seu diário “”Meu Deus, o que fizemos nós?” (Relatório especial, “Hiroshima: 6 de agosto de 1945”). Paul Tibbets morreu em novembro de 2006, ele dizia “Sempre dormi tranquilo, apenas cumpri ordens”. A grande questão sempre foi uma pergunta, porquê? A guerra já havia acabado na europa e o Japão negociava com a União Soviética uma proposta de paz. Os EUA, no recado enviado ao Japão dizia “Se o Japão não se render as consequências serão drasticas”, mas manteve em segredo que lançaria uma bomba atômica. Começava a guerra fria. Apenas quinze anos depois, em 1961, um teste realizado pela URSS, mostrava ao mundo a Tsar Bomba, Esta bomba tinha mais de 5 mil vezes o poder explosivo da bomba de Hiroshima, e maior poder explosivo que todas as bombas usadas na II Guerra Mundial multiplicadas por dez (incluindo as 2 bombas nucleares lançadas sobre o Japão), O calor gerado poderia causar queimadura de 3º Grau em uma pessoa que estivesse a 100 km de distância. A nuvem em forma de cogumelo em seguida chegaria a 60 km de altura e algo em torno de 35 km de largura, Isso é o equivalente aproximado de 1% da energia que o Sol libera, isto em 1961 e ela não significa muita coisa hoje, em 2007. Este texto não tem um terço da informação que li em livros e nos mais de 45 sites e blogs de sobreviventes que pesquisei, mas tem o essêncial para compreender o que é e o que significa o poder destrutivo do homem…

Galeria de imagens aqui


Início

 

 

 

Anúncios

2 Respostas to “Guerra Nuclear”

  1. fabio jose da silva Says:

    PARABENS PELAS IMAGENS TOMARA QUE AS ESCOLAS POSSAM RELATAR ESSAS MATERIAS NOS LIVROS DE HISTORIAS

  2. elaine Says:

    É desolador.
    Deus tenha misericordia dessas pessoas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: