.

.

.

Uma idéia criativa pode surgir de um projeto muito simples. No caso do Folding Phonograph, a idéia vem num envelope de papelão de embalagem comum e quando aberto você tem um tocador de discos de vinil. É uma peça de marketing relativamente simples que remete para o minimalismo popular atual e para as tendências ecológicas. Não só é completamente reciclável, mas também utiliza a força humana como fonte de energia. Como uma vitrola, você pode girar mais devagar ou mais rápido para alterar a composição resultante, As vibrações sonoras são amplificadas através do material de papelão.

A publicidade na criação para a empresa de áudio GGRP Sound tem a proposta de demonstrar a criatividade da agência. O princípio é o mesmo dos fonógrafos, portanto, a agência não pode assumir a responsabilidade pela criação do mecanismo, apenas do material de marketing. Veja o vídeo, ele pode servir como um tutorial, além do que já está impresso no encarte.

.

Imagens Aqui

.


.

.

.

ublicidade é arte? Sim, pode ser, principalmente quando há um grande nome desbravando a fronteira entre uma e outra atividade. Neste caso, é preciso muito talento para criar uma obra artisticamente comercial. O principal objetivo da publicidade é vender uma idéia ou um produto e ela deve conter uma indispensável carga criativa. Ross Brown trabalha esses aspectos com maestria.

Ross Brown nasceu em 1969, é aficionado por fotografia desde os 13 anos. Este neozelandês acredita que a publicidade e a arte funcionam melhor quando combinadas. Ele ganhou vários prêmios, no entanto, é o único a ganhar duas vezes o Brian Brake Memorial Award for Photographic Excellence na Nova Zelândia em 2003 e 2004. Ele é um dos top 200 fotógrafos de publicidade do mundo e uma das suas fotografias faz parte do Musée du Quai Branly, em Paris.

Seu foco é propaganda e design, trabalhando dentro de uma ampla gama de estilos e técnicas. Abrangendo assuntos diversos como paisagens, pessoas, esporte, animais, still e conceitual. Ross gosta de estar no controle dos retoques de seu trabalho até a conclusão. A propósito, todos os grandes fotógrafos que utilizam técnicas de manipulação postados aqui no Imagens e Letras possuem esta característica.

.
Imagens Aqui

.

.


.
gosto de desenho e regularmente publico trabalhos de bons desenhistas. Tenho um irmão que desenha habilmente e aprendi a amar esta arte ao vê-lo construir pacientemente traço sobre traço até seu desfecho final.

Creio que não há desenhistas iguais, os traços são desenvolvidos a partir de perspectivas individuais intrínsecas, assim como a escrita. Partindo desse pressuposto acho que é possível copiar a idéia ou até o estilo, mas não a essência ou natureza do traçado.

Atualmente há um desdobramento destas possibilidades. Alguns estão comparando com as famosas espionagens industriais, onde projetos de produtos são roubados e copiados pela concorrência. Não creio que esse caso alcance tal nível de trapaça, em princípio, não detemos o direito de julgar.

Na postagem Desenhos Incríveis, uma das primeiras que fiz, mostrei montagens realistas sobre desenhos, alguns perfeitos como a série da Macacolandia Design Studio da campanha de 2006. Este ano a Animaster Animation School lança campanha idêntica. plágio?

Plágio ou não o que é apresentado enche os olhos, é puro deleite. No entanto, seria interessante ouvir algumas opiniões.
.


Imagens Aqui

quadrodese quadrode

.
.
.
campanhas extremamente criativas chamam a atenção para causas ambientais como o aquecimento global e o desmatamento das florestas, a idéia é demonstrar de uma forma muito concreta e imediata os efeitos devastadores da negligência com o meio ambiente. A criatividade impressa nos anúncios foi tão eficaz que dispensa comentários ecológicos explicativos.
.
.


Economize papel. Salve o planeta.
Campanha para a WWF
Agência: Saatchi & Saatchi,
Copenhagen, Dinamarca
Diretor: Simon Wooller.
.

.
.
.
por mais de 120 anos, a Coca-Cola foi um ícone para a cultura popular americana e hoje é a marca mais conhecida e vendida do mundo. criada por John Pemberton como um remédio em 1886, chegou a recomendá-la como uma ajuda para superar o vício da morfina.

A crescente inquietação da moral americana sobre tóxico-dependência na virada do século, levou os fabricantes a remover a cocaína da Coca-Cola em 1904, sim ela continha, segundo revelações a quantidade era em torno de 20 a 25 miligramas a cada 300 ml, apesar de, hoje, a companhia negar.

Na verdade, o governo americano mais tarde tentou pressionar a empresa para largar o nome “Coca-Cola” completamente. Após uma prolongada batalha judicial o nome ficou, mas com mudanças na fórmula, o que levou tradicionalistas dizerem que a marca havia perdido sua glória original.

A Coca-Cola foi vendida em garrafas pela primeira vez em 12 de março de 1894 e as primeiras latas de alumínio da Coca apareceram em 1955. O primeiro engarrafamento da Coca-Cola ocorreu em Vicksburg, Mississippi na Biedenharn Candy Company em 1891. A popularidade da bebida aumentou bastante após a segunda guerra, quando os soldados voltaram fazendo propaganda do refrigerante.

A empresa havia desenvolvido “fábricas” móveis que foram enviadas para as frentes de batalha junto com técnicos da empresa, que garantiam a produção e a distribuição da bebida para os soldados. Em Portugal, o famoso poeta Fernando Pessoa criou o seguinte slogan para a bebida: “Primeiro estranha-se, depois entranha-se!”.

A Coca-Cola tem a política de evitar usar crianças menores de 12 anos de idade em suas propagandas, como resultado de um processo no início do século XX que alegou que a cafeína da Coca era perigosa para crianças. A verdade é que a marca tornou-se através de um marketing agressivo a mais desejada do mundo, até mesmo os ditadores anti-imperialistas tem sucumbido aos seus apelos. Selecionei algumas fotografias e peças de publicidade dos anos 20 a 40 do século passado.

.

Imagens Aqui

.

.

.
.

estudos mostram uma tabuleta em argila encontrada por arqueólogos, a qual continha inscrições babilônicas, anunciando a venda de gado e alimentos, demonstrando que já se utilizava de algum tipo de publicidade na antiguidade.

Foi, porém, após a Revolução Francesa (1789), que a publicidade iniciou a trajetória que a levaria até o seu estágio atual de importância e desenvolvimento. Hoje, todas as atividades humanas se beneficiam com o uso da publicidade. Até a própria ciência vem utilizando os recursos da publicidade, promovendo suas descobertas e seus congressos por meio de cartazes, revistas, jornais, filmes, Internet e outros.

No Brasil existe confusão entre os termos propaganda e publicidade por um problema de tradução dos originais de outros idiomas, especificamente os da língua inglesa. As traduções dentro da área de negócios, administração e marketing utilizam propaganda para o termo em inglês advertising e publicidade para o termo em inglês publicity. As traduções dentro da área de comunicação social utilizam propaganda para o termo em inglês publicity e publicidade para o termo em inglês advertising. O termo “publicidade” refere-se exclusivamente à propaganda de cunho comercial. É uma comunicação de caráter persuasivo que visa defender os interesses econômicos de uma indústria ou empresa.

Já a “propaganda” tem um significado mais amplo, pois refere-se à qualquer tipo de comunicação tendenciosa (as campanhas eleitorais são um exemplo, no campo dos interesses políticos). Assim, propaganda é um campo que envolve e contém a publicidade. Peça publicitária é a designação genérica de qualquer anúncio publicitário. Em publicidade é comum a variação dos nomes das peças publicitárias de acordo com a mídia a ser utilizada. Um anúncio para o rádio é conhecido como spot ou jingle; para a televisão, seria filme. Veja alguns trabalhos fantásticos de diversas agências.

.

Imagens Aqui
.

.

.

.

.
das borracharias para os museus, esta é a trajetória dos calendários da Pirelli. Há quarenta anos a Pirelli lança suas imagens que, segundo a visão de cada fotógrafo convidado, é o conceito da beleza. A história do calendário é muito parecida com os Pin-up´s que retratamos, eles fizeram parte do imaginário masculino e com o tempo deixou sua áurea brega para ganhar glamour.O chamado “The Cal”, que teria sido criado com os mesmos objetivos dos tradicionais calendários que fazem sucesso nas paredes das oficinas mecânicas, contou com o diferencial de que a Pirelli os transformou em objeto de arte. Surgiu em 1963 pelas mãos de Robert Freeman, o fotógrafo oficial dos Beatles. Nascido na época em que o rock estava em ascensão, ao mesmo tempo em que os movimentos sociais faziam pressão contra a Guerra do Vietnã, as primeiras fotos eram menos sensuais, com seus limites enquadrados à censura dos anos 60.

Os calendários não podem ser comprados nem vendidos: apenas alguns distribuidores, políticos, empresários, e outros vips da vida pública são agraciados com a “relíquia”. Na galeria você vai ver as imagens da edição 2008 feitas em Xangai, na China. A gaúcha Carol Trentini é uma das fotografadas nesta versão pelo fotógrafo francês Patrick Demarchelier, todas de trajes orientais.

.

Imagens Aqui
.

.

.

eles têm animado gerações de homens. Fez os soldados americanos da segunda guerra mundial sonharem em pleno campo de batalha. O que começou como um exercício de óleos logo foi tomando rumos diferentes, alcançando as fuselagens das máquinas dos combatentes e tornando-se uma característica essencial do mundo masculino de garagens e casernas.

Falar sobre as pin-ups é voltar ao fim do século 19, época em que o teatro de revista transformava dançarinas em estrelas, fotografadas para revistas, anúncios, cartões e maços de cigarros.

Em Paris, dois artistas, Alphonso Mucha e Jules Cheret, criaram as primeiras imagens de mulheres em poses sensuais para pôsteres, com trabalhos marcados pela presença de contornos e detalhes. A arte dos pôsteres virou escola e influenciou artistas até as primeiras décadas do início do século 20, quando os calendários também passaram a trazer desenhos de mulheres com silhuetas idealizadas pela imaginação masculina da época. E é justamente a partir do ato de pendurar ilustrações nas paredes que o nome pin-up (em inglês, pin up) surgiu.

Foi na década de 40, contudo, que as pin-up girls (ou “garotas penduradas”) viveram o auge do sucesso. Numa época em que mostrar as pernas era atitude subversiva e ser fotografada nua, atentado ao pudor, lápis e tinta davam forma a essas mulheres, carinhosamente chamadas de “armas secretas” pelos soldados americanos – na Segunda Guerra Mundial, elas serviam de alívio para os pracinhas que arriscavam a vida nos campos de batalha.

Betty Grable foi uma das mais populares dentre as primeiras “pin-ups”. Um de seus posters tornou-se onipresente nos armários destes soldados. O conceito das garotas pin-up era bastante claro: eram sensuais e ao mesmo tempo inocentes. A verdadeira pin-up jamais poderia ser vulgar ou oferecida, apenas convidativa. Asseguradas pelos traços sofisticados vindos da art-nouveau, elas vestiam peças de roupa que deixavam sutilmente à mostra suntuosas pernas e definidas cinturas. Era o bastante para alimentar a fantasia dos marmanjos.

Das ilustrações de papel, as pin-ups logo ganharam vida ao serem encarnadas por atrizes como Betty Grable e Marilyn Monroe, ou fotografadas por modelos voluptuosas como Bettie Page, também chamada de “rainha das curvas”. A partir dos anos 70, a indústria do sexo passou a desmanchar a aura misteriosa dessas mulheres, graças a filmes pornográficos e revistas de nu feminino. O Imagens e Letras trás para o leitor um apanhado em três galerias que mostra como o mundo masculino da época suspirava pela beleza feminina. .

Galeria 01
Galeria 02
Galeria 03


O texto de Pamela Cristina Leme foi a inpiração para este post

.

assine o feed twiter

.

9 Respostas to “”

  1. [...] Agência: Saatchi & Saatchi, Copenhagen, Dinamarca Diretor: Simon Wooller .Veja também Publicidade [...]

  2. ilsa Says:

    amei de paixão imagem e& letras é um site muito util, estão de parabems beijão a todossssss

  3. [...] . Veja Também Publicidade [...]

  4. ei bró .. arruma a aba “Plubicidade” .. no mais, seu blog eh show!!!!

  5. OBRIGADA POE ME ENVIAR IMAGENS E LETRAS , ESTÃO OTIMAS AS MATERIAS E FOTOS , , CADA VEZ MELHOR PARABENS , BEIJOS NO SEUS CORAÇÃO , ILSA SC…

  6. Continua, parabens este típo de coisas são muito importantes saber para darem mais valor ao tempo de hoje e o da amanha, com os melhors comprimentos Filipe Ramos.

  7. boa tarde,

    chamo-me Eric Durand e ando a procura de empresas ,jornais ou editoras para mostrar os meus desenhos caso seja util para artigos e revistas, Atraves do meu blog poderãoo ver alguns desenhos e ideias minhas pra si,
    Agradeço o desde já a sua visita ao meu blog que acho pertinente ser avaliado e comentado . obrigado

    http://animatedraw.blogspot.com/

    Cumprimentos,

    Eric Durand

  8. [...] publicidade na criação para a empresa de áudio GGRP Sound tem a proposta de demonstrar a criatividade da [...]

  9. [...] movimento no vídeo. As mesmas texturas e luzes ganham vida e se transformam em belíssimas peças publicitárias. Separei no final da galeria de imagens uma fotografia e a sua transposição para o vídeo, para [...]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 261 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: