EXPLORAÇÃO INFANTIL


C
hina, India e Indonésia, tem o nível mais elevado de crianças trabalhando do mundo. Perto de 122 milhões entre os 5 e 14 anos de idade. De acordo com o OIT (Organização Internacional do Trabalho), metade das crianças realiza trabalhos considerados perigosos. Dando uma breve panorâmica no mundo, temos a India, onde há aproximadamente 12.6 milhões de crianças são forçadas a trabalhar na agricultura ou no espaço doméstico e em muitos deles são envolvidas no negócio da prostituição; o Egito, Onde “menor” é considerado àquele têm menos de 14 anos, acima disso é legal; o Líbano, onde a maioria deles fazem trabalhos manuais que exigem quase nenhuma qualificação, como trabalhos mecânicos, coleta do lixo, etc; a Síria, onde, de acordo com a UNICEF, muitas crianças foram empurradas para incorporar o mercado de trabalho por causa da pobreza; o Peru, onde 70 por cento das crianças e dos adolescents fazem algum trabalho no setor da agricultura sob circunstâncias precárias, com a saúde em risco porque estão em contato permanente com agrotóxicos.
Quase nenhum país do mundo está livre. No primeiro mundo, como exemplo, temos a Italia, lá o trabalho infantil afeta mais de 400.000 crianças entre de 7 e 14 anos, de acordo com o instituto das investigações econômicas e Sociais (IRES). As estatísticas acima tem o aval não só dos Ministérios do Trabalho de seus países , mas também de uma infinidade de ong´s pelo mundo. Um post assim não vai mudar os números da noite para o dia, mas vai informar e conscientizar milhares de pessoas de que há situações injustas e difíceis de se combater. Ver números é uma coisa, mas ver imagens é outra dimensão da história. Não há números que sobreponha uma indiscutível sequência fotográfica. As imagens a seguir traduzem este texto para a cruel realidade da exploração infantil.

 

GALERIA DE IMAGENS AQUI

 

Veja Também

Onde estão nossas crianças ?

Início

 

About these ads

9 Respostas to “EXPLORAÇÃO INFANTIL”

  1. Belissimo, post ( pra variar) belas imagens, iso realment era pra repercutir bastante.

  2. Olá meu querido amigo! Como sempre muita coisa interessante por aqui.Pois é nossas crianças ao invés de estarem na escola estão sendo exploradas, fazendo trabalho de gente grande.Sabe uma vez ví no noticiário as crianças que trabalhavam de quebrar pedras e nas carvoarias, foram momentos chocantes que assisti. É revoltante essas pessoas que contratam crianças, infelizmente isso continua acontecendo e as autoridades fecham os olhos para um assunto tão sério que é este.Um grande abraço
    Krika

  3. […] autônomas e desafiam Evo Morales – Blogvisão Um passo à frente, dois atrás – Dia de Folga Exploração Infantil – Imagens e Letras Seis anos de prisão – André […]

  4. vivi Says:

    eu particulalmente gostei desta pesquisa tomara a deus que muitas pessoas vejam isto e saibam que trabalho infantil e crime e pode nao vai para cadeia pode ate pegar prissao perpetua quem nao sanbe o que é prissao perpetua é guando a pessoa fica o resto da vida na cadeia

  5. guilherme Says:

    triste muito triste!!!!!!!!!!!!!

  6. tailson Says:

    o que é issso o munda ta acabando

  7. oi estou estudando sobre isso acho isso um absurdo oque eles fazem com as crianças…sou totalmente contra …

  8. ANONIMO Says:

    TODOS OS SENHORES RESPONSAVEIS E MANDANTES DESTES PAISES DEVERIAM TER PASSADO E PERMITIDO QUE SEUS FILHOS TAMBEM PASSASSEM E SOFRESSEM TUDO O QUE ESTAS CRIANÇAS SOFREM. ISTO É VERGONHOSO PARA QUALQUER PAÍS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 278 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: